Protocolos

Fisioterapia

Aplicação: Técnica pontual, posicionar a articulação de maneira a permitir que o laser possa incidir diretamente sobre a cartilagem articular lesada. Realize a circlagem, pela técnica pontual, por toda a região articular.

Posologia: 3 vezes por semana.

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 35 a 140 J/cm²
  • Dose: 1 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, posicionar a articulação de maneira a permitir que o laser possa incidir diretamente sobre a cartilagem articular lesada. Realize a circlagem, pela técnica pontual, por toda a região articular.

Posologia: 3 vezes por semana.

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

Aplicação: Técnica pontual, posicionar articulação de maneira a permitir que o feixe possa incidir diretamente sobre a cartilagem articular lesada.

Posologia: 3 vezes por semana.

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 35 a 140 J/cm²
  • Dose: 1 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, posicionar a articulação de maneira a permitir que o laser possa incidir diretamente sobre a cartilagem articular lesada. Realizar a lateralização ou medicalização assistidas para exposição da área a ser tratada.

Posologia: 3 vezes por semana.

Dosimetria sugerida: Graus I e II – Doses mais baixas. Graus III e IV – Devem ser usadas doses mais elevadas, preferivelmente o infravermelho, mais o visível aplica-se, especialmente nas fases precoces. Densidades de potência elevadas (P=100 mW) são sugeridas para evitarem-se longos tempos de tratamentos (Sandoval, 2001, Guerino et al, 2001).

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

 

Aplicação: Técnica pontual, posicionar a articulação de maneira a permitir que o laser possa incidir diretamente sobre a cartilagem articular lesada. Realize a circlagem, pela técnica pontual, por toda a região articular.

Posologia: 3 vezes por semana.

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 100 a 160 J/cm²
  • Dose: 4 a 6 J

Aplicação: Técnica pontual, posicionar a articulação de maneira a permitir que o laser possa incidir diretamente sobre a cartilagem articular lesada. Realize a circlagem, pela técnica pontual, por toda a região articular.

Posologia: 3 vezes por semana.

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 70 a 110J/cm²
  • Dose: 2 a 3 J
  • Histórico de Fotossensibilidade (dermatoses);
  • Cliente sendo submetido a tratamentos com ácidos sintetizados a partir da vitamina A (Ácido retinóico, Retinol A, Vitanol A, Retin, Tretoinina, Isotretoinina, etc) e /ou antibióticos com tetraciclina;
  • História pessoal de Câncer de pele na região;
  • Gravidez;
  • Glaucoma.

 

Aplicação:Ao longo do trajeto nervoso e nos pontos gatilhos.

Posologia: Diária.

Dica: Aplicação por ponto ao longo dos paravertebrais em 12 pontos equidistantes, sendo 6 de um lado e 6 de outro. O protocolo é aplicado 10 dias e então, deve-se reavaliar o quadro para saber se há necessidade de maior número de aplicações (Özdemir et al, 2001).

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 100 a 160 J/cm²
  • Dose: 4 a 6 J

Aplicação: Ao longo do trajeto nervoso e nos pontos gatilhos (seguir o mapa de pontos gatilho mais ativos).

Posologia: Diária.

Dica: Aplicar sobre as bandas tensas, nos pontos dolorosos, para facilitar o desbloqueio. Aplicação com a técnica de contato (laser infravermelho de 808 Nm).

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 100 a 160 J/cm²
  • Dose: 4 a 6 J

Aplicação: Na região de dor e nos pontos gatilhos.

Posologia: Diária.

Dica: Aplicação por ponto ao longo dos paravertebrais em 12 pontos equidistantes, sendo 6 de um lado e 6 de outro. O protocolo é aplicado 10 dias e então, deve-se reavaliar o quadro para saber se há necessidade de maior número de aplicações (Özdemir et al, 2001).

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 100 a 160 J/cm²
  • Dose: 4 a 6 J

Aplicação: Sobre os pontos gatilhos.

Posologia: Diária.

Dica: Aplica-se sobre os pontos gatilhos com a técnica pontual, utilizando-se o laser infravermelho de 808 Nm.

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

ILIB Tópica – Irradiação do Sangue Intravascular com Laser

Ação: Originalmente uma Técnica russa que foi modificada no Brasil (INCOR), que consiste na aplicação contínua e direta de laser terapêutico vermelho (660 nm) na região da artéria radial, que produz um efeito fotoquímico que age sistemicamente pela produção da metaloenzima SOD ZnCu, tendo indicação para processos inflamatórios agudos e crônicos e combate aos radicais livres.

Aplicações: Com pulseira específica, aplica-se Laser de baixa intensidade na região do punho, uma área com meridianos energéticos que, ao serem estimulados, otimizam as atividades do coração, pulmões, sistema circulatório, libido entre outros, como uma espécie de Laserpuntura (acupuntura a Laser e sem agulhas), além do estímulo de enzimas antioxidantes.

Modo AG 15 minutos (Opção 1)

  • 5 sessões de 15 MINUTOS em dias alternados (dia sim, dia não por 10 dias).
  • Ao término das 5 sessões iniciais, deve-se descansar por 20 dias e repetir o protocolo, depois descansar mais 20 dias e repetir novamente o protocolo.
  • Manutenção a cada 3 meses – 5 sessões de 15 minutos apenas.

Opção 2

  • 1 sessão por semana de 30 minutos, no mínimo 8 sessões.
  • Manutenção a cada 30, 60 ou 90 dias, dependendo de cada condição sistêmica.

ILIB Tópica – Irradiação do Sangue Intravascular com Laser

Ação: Originalmente uma Técnica russa que foi modificada no Brasil (INCOR), que consiste na aplicação contínua e direta de laser terapêutico vermelho (660Nm) na região da artéria radial, que produz um efeito fotoquímico que age sistemicamente pela produção da metaloenzima SOD ZnCu, tendo indicação para processos inflamatórios agudos e crônicos e combate aos radicais livres.

Aplicações: Com pulseira específica, aplica-se Laser de baixa intensidade na região do punho, uma área com meridianos energéticos que, ao serem estimulados, otimizam as atividades do coração, pulmões, sistema circulatório, libido entre outros, como uma espécie de Laserpuntura (acupuntura a Laser e sem agulhas), além do estímulo de enzimas antioxidantes.

  Doenças Autoimunes (Modo IL 30 minutos)

  • 10 sessões de 30 MINUTOS por 10 dias seguidos.
  • Ao término dos 10 dias iniciais, deve-se descansar por 20 dias e repetir o protocolo, depois descansar mais 20 dias e repetir novamente o protocolo.
  • Manutenção a cada 30, 60 ou 90 dias, dependendo de cada condição sistêmica.

Doenças Cardiovasculares / Pulmonares e Diabetes (Modo IN 60 minutos)

  • 5 dias consecutivos, descanso de 20 dias, repetir o ciclo por 3 vezes.
  • Manutenção a cada 30, 60 ou 90 dias, dependendo de cada condição sistêmica.

Aplicação: Sobre os pontos gatilho e áreas de alergia.

Posologia: Diária.

  • Laser:808 nm
  • Fluência: 10 a 160 J/cm²
  • Dose: 4 a 6 J

Aplicação: 35 J/cm² – 1 J na fase aguda, progredindo para 70 J/cm² – 2 J na faze sub-aguda.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

  • Laser: 808 nm
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

Aplicação: Ao longo do trajeto do músculo e ao redor da área da lesão. Nas fases agudas, com processo inflamatório ativo, utilizar o laser na faixa do visível (laser vermelho 660 nm) e infravermelho (808 nm) nas regiões de origem e inserção do músculo alvo.

Posologia: Diária.

  • Laser: 660 nm + 808 nm
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro, cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro, cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm. Na presença de edemas ou nódulos linfáticos infartados ou comprometidos, irradiar na região ganglionar relativa ao território acometido.

Posologia: De 2 a 3 vezes por semana.

Dica: Recomendam-se doses entre 2 a 4 J/cm², com laser visível, 2 a 3 vezes por semana, respeitando-se o fato de que nas regiões com ausência de pele, a dose deve ser reduzida à ¼ ou 1q3 daquela utilizada sobre o epitélio (schindl et al, 1999).

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: Até 4 J/cm²
  • Dose: 1 J

Aplicação: Técnica pontual, sobre a área da cirurgia.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 35 a 140 J/cm²
  • Dose: 1 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro, cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm. Usualmente, doses mais baixas podem ser usadas nas etapas mais precoces ou agudas, e doses mais elevadas nas etapas mais evoluídas da enfermidade.

Posologia: De 2 a 3 vezes por semana.

Dica: Devem ser utilizadas doses diferenciadas em queimaduras superficiais ou profundas e dependendo: da área a ser tratada com ou sem cobertura epitelial e das dimensões da área queimada. Usualmente, doses mais baixas nas etapas mais precoces ou agudas e doses mais elevadas nas etapas mais evoluídas da enfermidade.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 4 a 40 J/cm²
  • Dose: 1 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro à cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm, na região interna da úlcera devem ser utilizados doses entre 3 e 4 vezes menor.

Posologia: De 2 a 4 vezes por semana.

Dica: Fases I e II – Tratar com laser visível, 2 vezes por semana.

Fases III e IV – Tratar com laser visível, 2 a 3 vezes por semana, dependendo da resposta da reparação observada.

Na face interna da ferida, onde não há presença de pele, devem-se utilizar doses 3 a 4 vezes menores que aquelas utilizadas nas bordas da ulceração (Mester et al, 1995).

Obs: Para este tipo de aplicação, devem-se evitar altas densidades de energia, pois as mesmas poderiam causar hemólise (Cen & Chen, 2004).

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro, cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm. Na região interna da úlcera devem ser utilizadas doses de 3 a 4 vezes menor. Deve-se irradiar também o trajeto venoso e arterial intrínseco à região da lesão com o laser infravermelho 808 nm.

Posologia: De 2 a 3 vezes por semana.

Dica: Para úlceras de estase, indica-se o laser visível no rebordo da ferida e a utilização de ¼ da energia no interior da mesma. Neste tipo de úlcera deve-se utilizar o laser infravermelho no trajeto venoso e arterial da região acometida, melhorando assim o fluxo sanguíneo para esta região.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro, cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm. Usualmente, doses mais baixas podem ser utilizadas para nervos mais superficiais e podem ser elevadas dependendo da profundidade e das características da pele a ser tratada.

Posologia: 3 vezes por semana.

Dica: As doses sugeridas estão entre 80 a 150 J/cm², recomenda-se a utilização de doses mais baixas para nervos mais superficiais e doses mais elevadas, dependendo da profundidade do nervo e da cor da pele do paciente. O laser visível mostrou-se mais eficiente, mas o infravermelho (808 nm) demostrou maior profundidade de penetração (gigo-Benato et al, 2005) .

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 10 a 150 J/cm²
  • Dose: 1 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual ao longo do trajeto do ramo nervoso acometido e sobre os “pontos gatilhos”.

Posologia: 3 vezes por semana.

Dica: O tratamento consta de cerca de 10 aplicações com intervalos de 72 horas a 96 horas entre elas. O ideal é que nas 2 primeiras aplicações as doses sejam mais baixas (entre 40 a 50 j/cm² por ponto – 1 J) e essas doses aumentem gradualmente até que na quinta ou sexta sessão, cheguem até 100 e 130 J/cm² por ponto.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 70 a 140 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, ao longo do trajeto do ramo nervoso acometido, sobre os pontos de emergência do nervo facial (anteriormente ao pavilhão auricular) seguindo o seu trajeto nos diferentes ramos: temporal, zigomático, bucal, cervical e marginal da mandíbula, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm.

Posologia: 3 vezes por semana.

Dica: Laser infravermelho, sobre os pontos de emergência do nervo facial (anteriormente ao pavilhão auricular), seguindo o seu trajeto nos diferentes ramos: parotidio, zigomático, bucal e marginal da mandíbula. Sugere-se a aplicação de pontos ao longo de todos os ramos do facial.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 60 a 150 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro, cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm. Usualmente, doses mais baixas podem ser utilizadas para nervos mais superficiais, podendo ser elevadas, dependendo da profundidade e das características da pele a ser tratada.

Posologia: 3 vezes por semana.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 60 a 150 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, ao redor da úlcera no tecido integro, cerca de 1 cm da borda, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm. Usualmente, doses mais baixas podem ser utilizadas para nervos mais superficiais, podendo ser elevadas, dependendo da profundidade e das características da pele a ser tratada.

Posologia: Aplicações diárias.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 60 a 150 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, por toda área da região carpiana e ao longo do trajeto do ramo nervoso na região do terço médio do ante-braço até a região palmar.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 60 a 150 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, sobre a região fraturada ou com dificuldade de consolidação, circundando a região por aplicação em pontos nos ossos longos. Nos ossos curtos, poucos pontos sobre a área fraturada são suficientes, desde que cubram a respectiva região, a distância entre os pontos deve ser de 2 a 2,5 cm.

Posologia: De 3 a 5 vezes por semana.

Dica: Para tecidos duros utilizam-se doses mais altas, entre 60 e 120 J/cm², 3 vezes por semana, preferencialmente utiliza-se o laser infravermelho (808 nm) sobre a região fraturada ou com dificuldade de consolidação. Circunda-se a região por aplicação em pontos nos ossos longos. Nos ossos curtos, apenas alguns pontos sobre a área fraturada são suficientes, desde que cubram a respectiva região (Luger et al, 2003; Marino et al, 2004; Lirani, 2004).

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 60 a 120 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, posicionar a articulação de maneira a permitir que o laser posso incidir diretamente sobre a articulação lesada. Realizar a circlagem, pela técnica pontual, por toda a região articular.

Posologia: Diária

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J

Aplicação: Técnica pontual ao redor da articulação e sobre o epicôndilo; na presença de dor, utilizar doses mais elevadas e em casos crônicos doses menores.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 100 a 160 J/cm²
  • Dose: 4 a 6 J

Aplicação: Técnica pontual, sobre o trajeto da fáscia. Na presença de processos inflamatórios ativos, reduzir as doses utilizadas.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

Dica: Alta densidade de potência (P=100 mW), laser infravermelho (808 Nm). As doses para casos crônicos giram em torno de 30 a 60 J/cm² (Bradley et al, 2003).

  • Laser: Vermelho + Infravermelho
  • Fluência: 70 a 140 J/cm²
  • Dose: 3 a 6 J

Aplicação: Técnica pontual, sobre o trajeto da fáscia. Na presença de processos inflamatórios ativos, reduzir as doses utilizadas.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

Dica: 12 a 16 J/cm², laser infravermelho (808 Nm). Nas lesões mais crônicas e profundas, sugerem-se doses de 30 J/cm².

  • Laser: Vermelho + Infravermelho
  • Fluência: 70 a 140 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual ao redor das estruturas do manguito. Na presença de dor, devem ser usadas doses mais elevadas.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

Dica: Laser visível, caso haja rupturas tendíneas (vistas nas ultrassonografias). Utilizando-se a técnica de contato, a ponteira deve ser pressionada sobre a região a ser tratada para a obtenção de melhores resultados.

Se não houver rupturas parciais e sim apenas um processo inflamatório e caso este tenha ocorrido de forma abrupta e aguda (recente), as doses sugeridas anteriormente podem ser utilizadas.

Se apenas a dor é o fator limitante, devem-se utilizar as mesmas doses, com o laser infravermelho.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 100 a 160 J/cm²
  • Dose: 4 a 6 J

Aplicação: Técnica pontual, sobre o trajeto da fáscia. Na presença de processos inflamatórios ativos, reduzir as doses utilizadas.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana.

Dica: Doses entre 4 e 12 J/cm² por aplicações diretas com a técnica de contato, procurando-se irradiar as regiões de inserção do tendão patelar na tuberosidade da tíbia e no rebordo inferior da patela. O laser infravermelho é a sugestão para melhores resultados, mas o vermelho poderá ser utilizado nas mesmas doses.

  • Laser: Vermelho + Infravermelho
  • Fluência: 70 a 140 J/cm²
  • Dose: 2 a 4 J

Aplicação: Técnica pontual, sobre o trajeto do tendão, na presença de processos inflamatórios ativos, reduzir as doses utilizadas. Em estruturas tendinosas profundas, aumentar as doses utilizadas, para permitir a chegada de energia ao tecido alvo.

Posologia: 3 a 5 vezes por semana

  • Laser: Vermelho + Infravermelho
  • Fluência: 35 a 70 J/cm²
  • Dose: 1 a 2 J