Protocolos

Odontologia

Ação: O Nano Home possui em sua formulação 16% de peróxidode carbamida, que se dissocia em peróxido de hidrogênio e uréia. Este primeiro é um poderoso agente clareador que atua oxidando os pigmentos orgânicos, atuando tanto no esmalte, quanto na dentina.

Aplicação

  • Efetuar a profilaxia com pedra pomes e água, realizar o registro da coloração inicial dos elementos dentais;
  • Usar fio dental e escovar os dentes;
  • Aplicar a quantidade necessária de gel clareador Nano Home na moldeira, evitando excessos;
  • Encaixar a moldeira na arcada dentária;
  • Retirar o excesso de gel com algodão ou com a escova dental;
  • Obedecer ao tempo de permanência determinado pelo cirurgião dentista. Se houver sensibilidade significativa, interromper o tratamento e entrar em contato com o cirurgião dentista;
  • Terminado o tempo, remover a moldeira. Lavar e escovar os dentes com pasta de dente livre de corante e bicarbonato de sódio;
  • Lavar, secar e guardar a moldeira;
  • Se necessário, aplicar o dessensibilizante. A aplicação pode ser realizada com os próprios dedos ou aplicando na moldeira;
  • Repetir o tratamento de acordo com a orientação do cirurgião dentista;
  • Após o tempo de tratamento apropriado, polir os elementos dentais utilizando um feltro montado em contra-ângulo associado a uma pasta polidora;
  • Fazer uma tomada de cor final.

Ação: Nano White possui 35 % de peróxido de hidrogênio em sua formulação (após a mistura das Fases 1 e 2), poderoso agente clareador que atua oxidando os pigmentos orgânicos, que se encontram tanto no esmalte, quanto na dentina.

Aplicação: Aplicar o gel sobre a superfície vestibular dos dentes. Deve-se aplicar uma camada de gel com 1 a 2 mm de espessura sobre todo o esmalte vestibular.

Os resultados satisfatórios de clareamento ocorrerão de 1 a 3 sessões clínicas, dependendo da idade do paciente, tipo de manchamento, e coloração dental. O protocolo clareador associado a fonte de luz aumenta a performance do resultado, possibilitando um clareamento mais rápido, e consequentemente com menor sensibilidade.

Protocolo 

Sem luz: Deixar O produto em contato com os dentes durante 45 minutos.


Com LED azul: Tempo total 24 minutos

1° aplicação – 12 minutos (2 minutos arcada superior – 2 minutos arcada inferior – até totalizar 12 minutos).

2° aplicação – 12 minutos (2 minutos arcada superior – 2 minutos arcada inferior – até totalizar 12 minutos).


Com LED violeta: Tempo total 18 minutos

1° aplicação – 9 minutos (1 minutos arcada superior – 1 minutos arcada inferior – até totalizar 9 minutos).

2° aplicação – 9 minutos (1 minutos arcada superior – 1 minutos arcada inferior – até totalizar 9 minutos).

Ação: Nano White possui 6 % de peróxido de hidrogênio em sua formulação (após a mistura das Fases 1 e 2), poderoso agente clareador que atua oxidando os pigmentos orgânicos, que se encontram tanto no esmalte, quanto na dentina.

Aplicação: Aplicar o gel sobre a superfície vestibular dos dentes. Deve-se aplicar uma camada de gel com 1 a 2 mm de espessura sobre todo o esmalte vestibular.

Os resultados satisfatórios de clareamento ocorrerão de 1 a 3 sessões clínicas, dependendo da idade do paciente, tipo de manchamento, e coloração dental. O protocolo clareador associado a fonte de luz aumenta a performance do resultado, possibilitando um clareamento mais rápido, e consequentemente com menor sensibilidade.

Protocolo

Com LED violeta: Tempo total 30 minutos

1 aplicação – 30 minutos (15 minutos arcada superior – 15 minutos arcada inferior – até totalizar 30 minutos).

Ação:O Nano White Flex possui em sua formulação peróxido de hidrogênio, poderoso agente clareador que atua oxidando os pigmentos orgânicos que se encontram tanto no esmalte quanto na dentina.

Aplicação: Aplicar o gel sobre a superfície vestibular dos dentes. Deve-se aplicar uma camada de gel com 1 a 2 mm de espessura sobre todo o esmalte vestibular.

O produto será aplicado uma única vez por sessão. Os resultados satisfatórios de clareamento ocorrerão de 1 a 3 sessões clínicas, dependendo da idade do paciente, tipo de manchamento, e coloração dental. O protocolo clareador associado a fonte de luz aumenta a performance do resultado, possibilitando um clareamento mais rápido, e consequentemente com menor sensibilidade.

Protocolo para 35%

Sem luz: Deixar O produto em contato com os dentes durante 45 minutos.


Com LED azul: Tempo total 24 minutos

1° aplicação – 12 minutos (2 minutos arcada superior – 2 minutos arcada inferior – até totalizar 12 minutos).

2° aplicação – 12 minutos (2 minutos arcada superior – 2 minutos arcada inferior – até totalizar 12 minutos).


Com LED violeta: Tempo total 18 minutos

1° aplicação – 9 minutos (1 minutos arcada superior – 1 minutos arcada inferior – até totalizar 9 minutos).

2° aplicação – 9 minutos (1 minutos arcada superior – 1 minutos arcada inferior – até totalizar 9 minutos).


Protocolo para 6%

Com LED violeta: Tempo total 30 minutos

1 aplicação – 30 minutos (15 minutos arcada superior – 15 minutos arcada inferior – até totalizar 30 minutos).

  • Histórico de Fotossensibilidade (dermatoses);
  • Cliente sendo submetido a tratamentos com ácidos sintetizados a partir da vitamina A (ácido retinóico, Retinol A, Vitanol A, Retin, tretoinina, isotretoinina, etc) e /ou antibióticos com tetraciclina;
  • História pessoal de Câncer de pele na região;
  • Gravidez;
  • Glaucoma.

Ação: Regeneração e hidratação prolongada por meio da reorganização das conexões dérmicas. Fortalece a imunidade, a resistência e a vitalidade cutânea.

Protocolo

  1. Higienize com Clean Solution Gel de Limpeza Purificante. Remova com algodão umedecido em água.
  2. Após avaliação do cliente, caso não haja nenhuma contraindicação, realize a técnica ILIB por 30 minutos, simultâneo às próximas etapas.
  3. Utilize laser infravermelho nos músculos elevadores da face (tônus muscular), com movimentos de varredura. Em seguida, utilize LED azul para hidratação e entumescimento dos tecidos.
  4. Com a pele seca, aplique Neoderm Complex Sabonete Glico-Ativo e deixe agir por um minuto. Remova com auxílio de algodão umedecido em água.
  5. Utilize novamente laser infravermelho para aumentar a absorção dos ativos.
  6. Borrife Hidradefense Solution Bruma Hidratante diretamente sobre a face, pescoço e o colo e espere absorver. Não remova.
  7. Aplique Hidradefense Solution Fluido Dinamizante e execute manobras de pinçamento. Não remova.
  8. Em seguida, aplique Hidradefense Solution Máscara de Safira e utilize laser vermelho por 10 minutos para o aumento de ATP mitocondrial.
  9. Remova com auxílio de algodão umedecido em água.
  10. Aplique Hidradefense Solution Creme de Massagem Energizante e realize massagem intensificadora Connect Derm. Não remova.
  11. Utilize Laser Vermelho para estimular a organela ribossômica e a síntese de colágeno. Após, utilize LED âmbar + laser infravermelho, simultâneos.
  12. Aplique três gotas de Hidradefense Solution Elixir Reparador na palma da mão, friccione uma na outra para aumentar o calor e exalar o blend de óleos essenciais. Em seguida, transfira para a face com leve pressão para depositar o produto sobre a pele.
  13. Finalize protegendo a pele com um dos produtos da linha fotoproteção diária.

Manutenção Home Care

Dia e Noite: Sérum Intensivo e Elixir Reparador da Linha Hidradefense Solution.

Dia: Hidradefense Solution Bruma Hidratante e Filtro Solar.

Noite: Hidradefense Solution Aqua Pro.Bio.

Frequência: De acordo com a avaliação do profissional.


Dicas: Em peles resistentes, utilize Neoderm Complex Máscara 10 AG, após o Neoderm Complex Sabonete Glico-Ativo, para potencializar o tratamento. Deixe agir por 10 minutos e remova com algodão umedecido em água.

Benefícios: Antirrugas, renovação celular e hidratação intensiva.

Protocolo

  1. Higienize as áreas com Clean Solution Gel de Limpeza Purificante. Remova com algodão umedecido em água.
  2. Utilize LED azul para hidratação pré-peeling.
  3. Aplique Neoderm Complex Peeling Tri-Ativo com movimentos circulares durante um minuto. Remova completamente com auxílio de gaze e água.
  4. Utilize laser infravermelho para aumento da microcirculação periférica e absorção de ativos.
  5. Aplique Máscara de Ouro no colo e mãos e deixe agir por até 20 minutos. Remova completamente com algodão umedecido em água.
  6. Com movimentos de massagem, aplique Biogen Tratamento Dermocosmético Facial Fase 1 até total absorção.
  7. Em seguida, aplique Biogen Sérum com Syn-Ake® com movimentos de pinçamento, massageando até completa absorção.
  8. Utilize laser vermelho para estímulo à energização celular (ATP).
  9. Siga com LED âmbar + laser infravermelho, simultâneos, para aumentar a síntese de colágeno.
  10. Finalize protegendo a pele com um dos produtos da linha fotoproteção diária.

Dicas: Em peles resistentes, utilize Neoderm Complex Máscara 10 AG, após o Neoderm Complex sabonete Glico-Ativo, para potencializar o tratamento. Deixe agir por 10 minutos e remova com algodão umedecido em água.

ILIB Tópica – Irradiação do Sangue Intravascular com Laser

Ação: Originalmente uma Técnica russa que foi modificada no Brasil (INCOR), que consiste na aplicação contínua e direta de laser terapêutico vermelho (660 nm) na região da artéria radial, que produz um efeito fotoquímico que age sistemicamente pela produção da metaloenzima SOD ZnCu, tendo indicação para processos inflamatórios agudos e crônicos e combate aos radicais livres.

Aplicações: Com pulseira específica, aplica-se Laser de baixa intensidade na região do punho, uma área com meridianos energéticos que, ao serem estimulados, otimizam as atividades do coração, pulmões, sistema circulatório, libido entre outros, como uma espécie de Laserpuntura (acupuntura a Laser e sem agulhas), além do estímulo de enzimas antioxidantes.

Modo AG 15 minutos (opção 1)

  • 5 sessões de 15 minutos em dias alternados (dia sim, dia não por 10 dias).
  • Ao término das 5 sessões iniciais, deve-se descansar por 20 dias e repetir o protocolo, depois descansar mais 20 dias e repetir novamente o protocolo.
  • Manutenção a cada 3 meses – 5 sessões de 15 minutos apenas.

Modo IL 30 minutos (opção 2)

  • 1 sessão por semana de 30 minutos, no mínimo 8 sessões.
  • Manutenção a cada 30, 60 ou 90 dias, dependendo de cada condição sistêmica.

ILIB Tópica – Irradiação do Sangue Intravascular com Laser

Ação: Originalmente uma Técnica russa que foi modificada no Brasil (INCOR), que consiste na aplicação contínua e direta de laser terapêutico vermelho (660 nm) na região da artéria radial, que produz um efeito fotoquímico que age sistemicamente pela produção da metaloenzima SOD ZnCu, tendo indicação para processos inflamatórios agudos e crônicos e combate aos radicais livres.

Aplicações: Com pulseira específica, aplica-se Laser de baixa intensidade na região do punho, uma área com meridianos energéticos que, ao serem estimulados, otimizam as atividades do coração, pulmões, sistema circulatório, libido entre outros, como uma espécie de Laserpuntura (acupuntura a Laser e sem agulhas), além do estímulo de enzimas antioxidantes.

 Doenças Autoimunes (Modo IL 30 minutos)

  • 10 sessões de 30 minutos por 10 dias seguidos.
  • Ao término dos 10 dias iniciais, deve-se descansar por 20 dias e repetir o protocolo, depois descansar mais 20 dias e repetir novamente o protocolo.
  • Manutenção a cada 30, 60 ou 90 dias, dependendo de cada condição sistêmica.

Doenças Cardiovasculares / Pulmonares e Diabetes (Modo IN 60 minutos)

  • 5 dias consecutivos, descanso de 20 dias, repetir o ciclo por 3 vezes.
  • Manutenção a cada 30, 60 ou 90 dias, dependendo de cada condição sistêmica.

Odontologia estética

  • Gerenciamento do tecido.
  • Frenectomia lingual e labial.
  • Recontorno do tecido.
  • Posicionamento de pônticos.
  • Aumento de coroa clínica (sem osteotomia).
  • Cauterizações por vaporização e ablação.
  • Hiperplasia gengival medicamentosa.
  • Gengivectomias e Gengivoplastias (escultura do tecido).
  • Herpes labial.
  • Úlceras aftosas.
  • Remoção de tecido cariado incipiente em dentina e esmalte.

Odontologia pediátrica

  • Gerenciamento do tecido.
  • Cunha distal.
  • Dificuldades de erupção dos dentes.
  • Hiperplasias.
  • Frenectomias.
  • Incisão e drenagem de abcessos.
  • Pulpotomias.
  • Pulpectomias
  • Remineralização de manchas brancas.
  • Descontaminação de sulcos escurecidos, cáries incipientes e margens de restaurações.

Prótese e implantodontia

  • Biópsias.
  • Ferimentos causados por próteses (cicatrização e alívio de dor).
  • Aprofundamento de vestíbulo.
  • Frenectomia.
  • Redução de tecido mole da tuberosidade.
  • Implantodontia, reabertura de implantes, manutenção de implantes.
  • Dentaduras imediatas.
  • Trauma de tecido.
  • Hiperplasia papilar.
  • Posicionamento de pônticos.

Cirurgia oral e maxilofacial

  • Medicina oral.
  • Herpes labial.
  • Úlceras aftosas.
  • Língua papilosa.
  • Ablação de folículos pilosos de enxertos de pele.
  • Biópsias incisionais e excisionais.
  • Remoção de hiperqueratocistos benignos e malignos e lesões vasculares.
  • Lesões de língua.
  • Lesões presentes no vermelhão dos lábios.
  • Lesões brancas superficiais, tais como leucoplasias e líquen plano através de peeling (esfoliação) por laser.

Periodontia

  • Gengivectomia (redução de bolsas de até 5-6mm).
  • Cirurgia com retalho.
  • Remoção de tecido de granulação.
  • Formação de camada protetora sobre ferida cirúrgica.
  • Conformação e adaptação das margens do retalho.
  • Cunha distal (sem osteotomia).
  • Redução de tecido mole de tuberosidades.
  • Coagulação de áreas doadoras de enxertos.
  • Gerenciamento pós-operatório de pacientes operados através de cirurgias a retalho.
  • Plastia do tecido para odontologia cosmética e manutenção.
  • Redução de bolsa para pacientes em reconsulta/refratários.
  • Procedimentos de tecido mole para pacientes debilitados (com saúde comprometida).
  • Remoção de manchas melânicas da gengiva com finalidade estética.

Endodontia

  • Incisão e drenagem.
  • Remoção de guta-percha dos canais.
  • Remoção de debris orgânicos.
  • Pulpotomia.
  • Controle de hemorragia.
  • Capeamento pulpar.
  • Redução bacteriana intracanal.

Cirurgia oral

  • Vaporização e ablação com hemostasia e cicatrização dos tecidos.
  • Avivamento de rebordos.
  • Hiperplasia gengival.
  • Excisão.
  • Biópsias.
  • Leucoplasias.
  • Líquen plano.
  • Tratamento de pacientes debilitados medicamente (saúde comprometida).
  • Pacientes tratados com medicamentos para “afinamento” do sangue.
  • Pacientes com marcapassos.
  • Hiperplasias induzidas por medicamentos.
  • Mucosites em pacientes submetidos a quimioterapia.
  • Pacientes hipertensos.
  • Redução de infecção para pacientes cardíacos comprometidos.
  • Extrações múltiplas.
  • Formação de coágulo para cobertura óssea para reduzir alveolites.
  • Apicectomias.
  • Mucoceles.
  • Cirurgia cosmética da face.
  • Teleangiectasias superficiais.
  • Lesões pigmentadas.
  • Granuloma piogênico, fibroma, papiloma.
  • Estomatite nicotínica.
  • Líquen plano erosivo.
  • Epulihiperplasica papilar inflamatória.
  • Remoção de lesões e condições benignas.
  • Verruga vulgaris.
  • Remoção de lesões malignas.
  • Remoção de lesões vasculares-hemangioma.
  • Remoção de lesões em pacientes com desordens hemorrágicas.
  • Pregas da pele.

Descrição: Excisão cirúrgica para a remoção de um frênulo ou prega de mucosa que dificulta ou restringe os movimentos da língua, lábios, prepúcio ou outras estruturas dotadas de alguma retração anatômica.

Aplicação: Eleva-se a língua ao máximo em direção ao palato, mantendo-se a boca aberta, o freio lingual tenso, e o secciona com a ponta do laser em movimentos de varredura. Realiza-se a deinserção total e eliminação de todo o tecido fibroso. A direção da divulsão deve ser a mesma das fibras evitando assim, fibrosamento no pós-operatório. Tempo de cicatrização de 10 a 15 dias.

  • Potência: 2 a 3 W
  • Frequência pulso: 20 pps
  • Largura pulso: 20 ms

Descrição: Liberação cirúrgica de qualquer estrutura anatômica dotada de freio.

Aplicação:Tensiona-se o lábio superior e faz-se a excisão no rebordo do lábio e inserção palatina com a ponta do laser em contato com o tecido. Pode-se também realizar técnica de vaporização, na qual o laser opera próximo ao contato, desfocado. Tempo de cicatrização de 7 a 10 dias.

  • Potência: 2 a 3 W
  • Frequência pulso: 25 pps
  • Largura pulso: 20 ms

Descrição: É o nome dado a um procedimento periodontal com finalidade estética que consiste em uma maior exposição do esmalte constituinte da coroa clínica, através de gengivoplastia cirúrgica. Este procedimento também é conhecido por Aumento de Coroa Clínica.

Aplicação: Marca-se a profundidade de sondagem com instrumento periodontal (3 pontos por face). À seguir, realiza-se a remodelação do contorno gengival com a ponta do laser em 45 graus em contato com o tecido. Movimento de corte intermitente dependendo da consistência do tecido. Após, realiza-se escarificação do tecido com o laser sem contato. Sem necessidade de cimento cirúrgico. Tempo de cicatrização: 4 a 7 dias.

  • Potência: 1,5 a 2,5 W
  • Frequência pulso: 20 pps
  • Largura pulso: 20 ms

Descição: É o nome dado ao aumento de volume não tumoral de qualquer estrutura, tecido ou órgão em decorrência do aumento do número de células, sempre todas iguais. A cirurgia para a remoção dessa condição clínica é importante, sobretudo, nos casos de preparo pré-protético.

Aplicação: Faz-se o pinçamento na base da lesão e então realiza-se a incisão com a ponta do laser perpendicular à borda da mesma. Dependendo de seu tamanho, não há possibilidade de realizar histopatológico. Assim, se for uma lesão com diagnostico duvidoso, faze-se a incisão com margem para colher excesso de material ou opta-se por uma biópsia convencional prévia à cirurgia. Tempo de cicatrização: 10 a 15 dias.

  • Potência: 2 a 4 W
  • Frequência pulso: 20 pps
  • Largura pulso: 20 ms

Descição: Também conhecida por peeling gengival, consiste em um procedimento cirúrgico ou farmacológico, de qualquer lesão ou formação pigmentada por melanócitos.

Aplicação: Procedimento sem anestesia infiltrativa. Em alguns pacientes utiliza-se anestesia tópica com prilocaína 3% (EMLA). Trabalha-se com o laser próximo do contato somente escarificando o tecido epitelial. Sem necessidade de cimento cirúrgico. Tempo de cicatrização: 5 a 8 dias.

  • Potência: 2 a 3 W
  • Frequência pulso: 20 pps
  • Largura pulso: 20 ms

Descrição: É a inflamação das gengivas ao redor de um dente em erupção. Após o tratamento clínico de sua fase aguda, indica-se a remoção cirúrgica do tecido sobressalente na região.

Aplicação: Realiza-se uma cunha distal com o laser operando em contato. Após o término da remoção, opera-se o laser desfocado, sem contato, a fim de descontaminar a região e formar uma proteção natural. Tempo de cicatrização 3 a 5 dias.

  • Potência: 2 a 4 W
  • Frequência pulso: 20 pps
  • Largura pulso: 20 ms

Descrição: Abertura ou exteriorização de um implante por meio de técnica cirúrgica para revisão, inspeção clínica ou substituição de pilares implantares ou osteointegrados.

Aplicação: Faz-se a marcação da região do implante. Caso a mesma esteja fibrosada, será necessária a vaporização do tecido. Realizam-se movimentos circulares até a exposição do implante. Caso comprometa a região estética, recomenda-se a incisão direta na região palatina e/ou lingual, a fim de preserva-se o rebordo vestíbulo-anterior. Tempo de cicatrização: 2 a 3 dias.

  • Potência: 1,5 a 2,5 W
  • Frequência pulso: 20 pps
  • Largura pulso: 30 ms

Descrição: Algumas vezes se utiliza esse termo para denominar uma incisão cirúrgica losangular feita na gengiva com a finalidade de remoção de uma pequena quantidade de gengiva fibrosa para facilitar a erupção de um dente que já deveria ter erupcionado.

Aplicação: Determina-se o limite amelo-cementário e então se realizam movimentos com a ponta do laser na região do rebordo a ser excisionado. Tempo de cicatrização: 3 a 5 dias.

  • Potência: 2 a 3 W
  • Frequência pulso: 25 pps
  • Largura pulso: 20 ms

Ação: Analgésica; anti-inflamatória; acelera a reparação em pacientes com alterações sistêmicas.

Aplicação: 1 ponto diretamente sobre a lesão (no caso de lesões pequenas de até 1 cm²) e pontos ao longo das bordas da ferida (no caso de lesões maiores).

Posologia: Total de 2 aplicações, em intervalos de 48 horas. Se necessário continuar as aplicações em intervalos de 48 horas até remissão completa dos sinais e sintomas.

Dica: A aplicação do laser é feita diretamente sobre a lesão, no caso de lesões pequenas. No caso de lesões maiores, aplicar sobre a lesão e ao redor dela.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Anti-inflamatória e analgésica.

Aplicação: Ao redor da região afetada e sobre a cadeia linfática responsável pela drenagem da região acometida (Técnica da Drenagem Linfática de Almeida Lopes*)

Posologia: O comprimento de onda recomendado é o infravermelho. A primeira aplicação deverá ser realizada imediatamente após o procedimento terapêutico de rotina eleito para o tratamento dessa afecção. Mais duas aplicações deverão ser realizadas em intervalos de 48 horas. A dose (energia) recomendada é de ~2 J por alvéolo, dividida em dois pontos de ~1 J utilizando fluência de 35 a 50 J/cm².

Dica: A aplicação é feita sobre o alvéolo. Não se recomenda a introdução da ponteira dentro dele, pois além de ser desnecessário, é um trauma mecânico que deve ser evitado.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 35 a 50 J/cm2
  • Dose: ~2 J


Ação:
Analgesia imediata; indução da formação de dentina terciária.

Aplicação: Diretamente sobre a região onde se pretende ativar a formação de dentina reparativa.

Posologia: 4 aplicações em intervalos de 72 horas. Recomenda-se começar com a dose mínima preconizada para um elemento dental, ou seja, dose (energia) de aproximadamente 1 a 2 J utilizando fluência de 20 a 50 J/cm², aumentando a dose nas sessões subsequentes, caso seja necessário. A dose (energia) será dividida em dois pontos de ~1 J, utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² em cada um deles.

Dica: É necessário encaminhar o paciente para clínica de dentística reparadora.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 50 J/cm²
  • Dose: ~1 a 2 J

Ação: Maior rapidez de absorção e metabolização do anestésico.

Aplicação: Sobre o ponto de introdução da agulha e injeção do anestésico.

Posologia: 2 pontos de aplicação sobre a região de injeção do anestésico (nos casos de anestesia troncular) e 1 único ponto sobre o ápide dental (nos casos de anestesia infiltrativa). Preconiza-se o uso do infravermelho nas anestesias tronculares e de ambos (infravermelho e visível) nas anestesias infiltrativas. A dose (energia) utilizada é de ~1 J por ponto, utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² (em crianças utilizar 1/2 da dose).

Dica: O laser incrementa a circulação local, fazendo com que o anestésico seja metabolizado mais rapidamente e, portanto, fazendo com que a sensação de dormência desapareça prontamente.

O laser é aplicado diretamente sobre o ápice (no caso de anestesias infiltrativas) e na região onde foi inserido o anestésico (no caso de anestesias tronculares).

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Estimulação do sistema linfático, aumento da troficidade local.

Aplicação: Região lesada e principais linfonodos de cabeça e pescoço responsáveis pela drenagem da região acometida.

Posologia: A mesma descrita na Técnica de Drenagem Linfática de Almeida-Lopes.

Dica: O laser é aplicado sobre os principais linfonodos palpáveis de cabeça e pescoço.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 70 a 120 J/cm²
  • Dose: ~2 J

Ação: Melhora a reparação tecidual, reduz o edema e a dor pós-operatório.

Aplicação: Perpendicularmente ao alvéolo e sobre a região sutura.

Posologia: Nos casos de exodontia traumática, faz-se uma aplicação no pós-operatório imediato para a prevenção de edema pós-cirúrgico. Para tanto, preconiza-se a utilização da Técnica drenagem Linfática de Almeida-Lopes. A partir da segunda aplicação (que deverá acontecer após 48 horas da cirurgia) serão estabelecidas sessões de aplicação a cada 72 horas, até a redução completa do edema e remissão de sintomatologia dolorosa.

Dica: O laser é aplicado sobre o alvéolo remanescente. Não há necessidade de aplicar o laser dentro do alvéolo, já que os comprimentos de onda emitidos no infravermelho têm grande profundidade de penetração.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 35 a 50 J/cm²
  • Dose: ~2 J

Ação: Analgésica e anti-inflamatória.

Aplicação: Sobre a gengiva inserida, ao longo de toda a região inflamada.

Posologia: Total de 2 ou 3 aplicações em intervalos de 72 horas.

Dica: É importante orientar o paciente sobre a higienização local, bem como motivá-lo a executá-la.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Acelera e melhora a reparação tecidual, reduz a dor pós-procedimento clínico.

Aplicação: Sobre as papilas gengivais, ao longo de toda a região inflamada.

Posologia: Aplicações a cada 72 horas, conjugadas com o tratamento profilático e sistêmico para a Diabetes, até o desaparecimento dos sintomas.

 Dica: A aplicação do laser é feita sobre a gengiva inserida, evitando as extremidades das papilas, que são pouco vascularizadas.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Analgésica, alívio da sensação de desconforto do paciente.

Aplicação: Por toda a extensão da língua.

Posologia: Aplicações a cada 48 horas, enquanto persistirem os sintomas. A dose (energia) utilizada é de ~1 J, utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² perfazendo um total de cerca de 5 pontos distribuídos em toda a extensão da língua.

Dica: A Glossite Migratória Benigna, conhecida popularmente como Língua Geográfica, não é considerada uma enfermidade, é simplesmente uma variação anatômica, mas que muitas vezes pode causar ardência, dor ou sensação de desconforto.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação:

  1. Antes da manifestação clínica (fase de prurido): diminui a virulência e incidência da lesão;
  2. Durante a manifestação (fase de vesículas): analgésica e anti-inflamatória (nessa fase recomendamos a Técnica da Drenagem de Almeida-Lopes);
  3. Depois da manifestação clínica (vesículas ulceradas): acelera a cicatrização, diminui a dor das lesões remanescentes, previne infecções oportunistas, melhora a estética pós-cicatrização.

Aplicação: Diretamente sobre a região afetada, tanto na fase de prurido como após a ruptura das vesículas. Sobre a cadeia linfática responsável pela drenagem da região acometida, quando na fase de vesícula.

Posologia:

  1. Fase de prurido: recomenda-se o comprimento de onda infravermelho, 2 pontos sobre a região do prurido. A dose recomendada é de ~1 J utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² por ponto de aplicação. O número de aplicações varia entre 1 e 2 (a segunda, 24 horas após a primeira).
  2. Fase de vesícula: preconiza-se a utilização da Técnica de Almeida-Lopes*, buscando a diminuição da inflamação local, bem como o aumento da imunidade local. Recomenda-se o comprimento de onda infravermelho, com aplicações a cada 48 horas, sobre os linfonodos responsáveis pela drenagem da região. A dose recomendada é de ~2 J utilizando fluência de 35 a 50 J/cm² por linfonodo.
  3. Fase de vesícula ulcerada: 1 ponto de 0,8 J utilizando fluência de 30 J/cm² sobre a lesão. No caso de várias lesões (herpes multifocal), deve-se aplicar ~1 J utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² em cada região atingida.

Dica: Na fase de vesícula não irradiamos diretamente a lesão, e sim ao redor dela, associando a Técnica de Drenagem de Almeida-Lopes. Se conseguimos irradiar o paciente na fase subclínica (de prurido), então o faremos diretamente sobre a área acometida.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação:

  1. Antes da manifestação clínica (fase do prurido): diminui a virulência e incidência da lesão;
  2. Durante a manifestação (fase de vesículas): analgésica e anti-inflamatória (nessa fase recomendamos a técnica drenagem linfática de Almeida-Lopes);
  3. Depois da manifestação clínica (vesículas ulceradas): acelera a cicatrização, diminui a dor das lesões remanescentes e previne as infecções oportunistas, melhora a estética pós-cicatrização, e sobretudo, previne a nevralgia pós-herpética.

Aplicação: Ao longo de todo o nervo afetado (todos os ramos acometidos).

Posologia:

  1. Fase de prurido: recomenda-se o comprimento de onda infravermelho, 2 pontos sobre a região do prurido. A dose recomendada é de ~1 J utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² por ponto de aplicação. O número de aplicações varia entre 1 e 2 (a segunda, 24 horas após a primeira).
  2. Fase de vesícula: preconiza-se a utilização da Técnica de Almeida-Lopes, buscando a diminuição da inflamação local, bem como o aumento da imunidade local. Recomenda-se o comprimento de onda infravermelho, com aplicações a cada 48 horas, sobre os linfonodos responsáveis pela drenagem da região. A dose recomendada é de ~2 J utilizando fluência de 35 a 50 J/cm² por linfonodo.
  3. Fase de vesícula ulcerada: 1 ponto de 0,8 J utilizando fluência de 30 J/cm² sobre a lesão. No caso de várias lesões (herpes multifocal), deve-se aplicar ~1 J utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² em cada região atingida.

Dica: No Herpes Simples apenas uma pequena área é acometida pela manifestação clínica do vírus. No Herpes Zoster todo o trajeto de um ramo nervoso é acometido. Dessa forma as aplicações deverão ser feitas seguindo todo o traje do ramo afetado.

A aplicação do laser no Herpes Zoster segue o mesmo protocolo do Herpes Simples.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Analgesia imediata por repolarização da membrana nervosa alterada, prevenção da formação de edema intrapulpar.                            

Aplicação: 1 pontos diretamente sobre a região que apresenta a hipersensibilidade e um ponto sobre o ápice dental.

Posologia: Geralmente é necessária uma única aplicação no pós-clareamento imediato. Caso o paciente apresente um quadro de dor persistente, recomenda-se mais 1 ou 2 aplicações em intervalos de 24 horas.

Dicas: A aplicação do laser no pós-clareamento imediato pode ser utilizada em todos os pacientes, como procedimento preventivo.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Analgesia imediata; formação de dentina terciária.

Aplicação: Dois pontos diretamente sobre a parede exposta; perpendicularmente à restauração, na região de câmara pulpar ou, no caso do dente já restaurado, na região cervical, sobre a coroa, e um ponto sobre o ápice dental.

Posologia: 4 aplicações em intervalo de 72 horas entre elas. Recomenda-se começar com a dose mínima preconizada para um elemento dental, ou seja, dose (energia) de ~1 J utilizando fluência de 20 a 25 J/cm², aumentando a dose nas sessões subsequentes, caso seja necessário.

Essa dose (energia) será dividida em dois pontos de ~0,5 J utilizando fluência de ~10 J/cm² em cada um deles.

Dica: O laser é aplicado sobre a parede exposta do preparo. Pode-se complementar aplicando um ponto sobre o ápice dental para incrementar a circulação e diminuir a inflamação pulpar.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Acelera a reparação óssea; melhora a qualidade histológica.

Aplicação: Diretamente sobre a região de colocação do implante, ao longo de todo o seu eixo, perfazendo um total de cerca de seis pontos por implante.

Posologia: As aplicações deverão acontecer a cada 72 horas, durante o primeiro mês do processo de cicatrização óssea.

Dica: O laser é aplicado ao redor dos implantes e sobre a sutura após seu fechamento. Recomenda-se a utilização da técnica de drenagem linfática de Almeida-Lopes imediatamente após a colocação dos implantes, para a prevenção do edema pós-cirúrgico.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 50 a 70 J/cm²
  • Dose: ~3 J

Ação: Ativa a imunidade local do paciente; diminui o desconforto.

Aplicação: Diretamente na região da lesão, sobre toda sua extensão.

Posologia: Aplicações a cada 72 horas, enquanto perdurar a lesão.

Dica: A finalidade das aplicações é ativar a imunidade local do paciente, não descartando a necessidade do tratamento sistêmico preconizado nesses casos.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Ativa a imunidade local do paciente, diminui o desconforto, melhora a qualidade de cicatrização das lesões.

Aplicação: A aplicação do laser é feita diretamente sobre a lesão. Faz-se aplicações com o espaço médio de 1 cm de distância entre cada ponto de aplicação.

Posologia: Aplicações a cada 48 horas, enquanto perdurar o surto.

 Dica: A aplicação do laser é feita sobre toda a extensão da lesão.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Alívio da dor nevrálgica, alívio de dor na região de gatilho; relaxamento da musculatura; reparação do nervo lesado.

Aplicação: Seguindo todo o trajeto do ramo afetado, diretamente sobre os pontos gatilhos e sobre as regiões de forâmen.

Posologia: O tratamento consiste de cerca de 10 aplicações em intervalos de 72 horas. O ideal é que nas duas primeiras aplicações a dose (energia) seja mais baixa, cerca de 1 J por ponto de aplicação, utilizando fluência de 20 a 25 J/cm², aumentando gradualmente, até que na quinta ou sexta sessão, atinja 3 a 4 J por ponto, utilizando fluência de 50 a 90 J/cm². 

Dica: É recomendada a prescrição de vitaminas do complexo B durante todo o período de tratamento. É importante alertar o paciente que o mesmo só sentirá melhora clínica (em média) após a terceira aplicação.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: 1 J

Ação: Sobre dentes com erupção dolorosa.

  • Em traumas de dentes e lábios;
  • Em capeamentos pulpares diretos e indiretos;
  • Após anestesia;
  • Após preparo cavitário.

Dica: Em todos os procedimentos da clínica de Odontopediatria existe indicação e aplicação da laserterapia.

Para crianças, de pouco peso e altura: As doses aqui prescritas serão cerca de 1/3 menores que as recomendadas nos protocolos para adultos.

Para crianças mais velhas (após 10 anos) e com mais peso: Terão as doses diminuídas apenas pela metade.

  • Laser: Vermelho

Ação: Analgésica, após instalação, troca ou ajuste de arcos; ativação da reparação óssea, após disjunção palatina; modula processo de lise e de formação óssea da região onde houver ativação de uma peça do aparelho ortodôntico.

Aplicação: Na região de ativação da alça ou elástico; sobre a rafe palatina.

Posologia: Nos tratamentos convencionais a aplicação será feita por ocasião da ativação de alças e/ou elásticos. Nos casos de dor aguda, repetir a aplicação após 24 horas. Em relação à disjunção palatina, as aplicações deverão acontecer a cada 72 horas, ou a cada ativação do parafuso expansor, perdurando por até 2 meses após a disjunção ter sido efetivada.

Dica: O laser é aplicado na região de pressão e tração óssea e sobre o ápice do dente que sofrer ativação.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 50 a 70 J/cm²
  • Dose: ~3 J

Ação: Alívio da sensibilidade dolorosa (quando houver), reparação dos ramos nervosos lesados e relaxamento da musculatura (quando comprometida).

Aplicação: Seguindo todo o trajeto do nervo afetado. No caso de nervos com vários ramos, aplicar sobre todos os ramos pertencentes ao respectivo par craniano.

Posologia: O tratamento consiste de cerca de 10 aplicações em intervalos de 72 horas. O ideal é que nas duas primeiras aplicações a dose (energia) seja mais baixa, cerca de ~1 J por ponto, utilizando fluência de 20 a 25 J/cm², aumentando gradualmente até que na quinta ou sexta sessão, atinja 3 a 4 J por ponto, utilizando fluência de 50 a 90 J/cm².

Dica: A prescrição de vitaminas do complexo B é recomendada durante todo o período de tratamento. É importante alertar o paciente que o mesmo só sentirá melhora clínica (em média) após a terceira aplicação e algumas vezes, essa melhora será acompanhada da desagradável sensação clínica de dor, ou formigamento. O paciente poderá relatar uma forte hiperestesia, alternada com momentos de completa disestesia.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Alívio da sensibilidade dolorosa (quando houver) e reparação dos ramos nervosos lesados.

Aplicação: Seguindo todo o trajeto do nervo afetado. No caso de nervos com vários ramos, aplicar sobre todos os ramos pertencentes ao respectivo par craniano.

Posologia: O tratamento consiste de cerca de 10 aplicações em intervalos de 72 horas. O ideal é que nas duas primeiras aplicações a dose (energia) seja mais baixa, cerca de 1 J por ponto, utilizando fluência de 20 a 25 J/cm², aumentando gradualmente, até que na quinta ou sexta sessão, atinja 3 a 4 J por ponto, utilizando fluência de 50 a 90 J/cm².

Dica: A prescrição de vitaminas do complexo B é recomendada durante todo o período de tratamento. É importante alertar o paciente que o mesmo só sentirá melhora clínica (em média) após a terceira aplicação e algumas vezes, essa melhora será acompanhada da desagradável sensação clínica de dor, ou formigamento. O paciente poderá relatar uma forte hiperestesia, alternada com momentos de completa disestesia.

O laser é aplicado seguindo todo o ramo afetado. A aplicação é realizada em pontos diretamente sobre o ramo nervoso, com espaçamento de cerca de 1 cm entre estes.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Analgésica e anti-inflamatória, ativa a imunidade local do paciente.

Aplicação: Diretamente na região da lesão, sobre toda sua extensão.

Posologia: Aplicações a cada 48 horas, enquanto perdurar o surto.

Dica: A aplicação do laser é feita sobre todas as lesões, que geralmente apresentam-se ulceradas, com o aspecto clínico de uma estomatite aflosa.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Anti-inflamatória e analgésica.

Aplicação: Ao redor da região afetada e sobre a cadeia linfática da região acometida (Técnica da Drenagem Linfática de Almeida-Lopes*).

Posologia: 2 aplicações com intervalo de 24 horas costumam ser suficientes. Distribuem-se ~2 J em 4 pontos de ~0,5 J, utilizando fluência de 35 a 50 J/cm², ao redor da região afetada ou utiliza-se diretamente a técnica da drenagem linfática. Nos casos onde exista trismo associado, recomenda-se fazer 4 ou 5 pontos de aplicação extra-oral sobreo masseter, para o relaxamento desse espasmo, e começar as aplicações intra-orais após 24 horas.

Dica: Em casos de lesões agudas contaminadas, como essa, devemos evitar a aplicação diretamente sobre a lesão, pois os microorganismos contaminantes podem ser bioestimulados, exacerbando o processo. Temos conseguido excelentes resultados utilizando a técnica de tratamento indireto da lesão, ou seja, ativando a drenagem linfática das cadeias linfonodais envolvidas nesse processo. Os procedimentos clínicos utilizados tradicionalmente nesses casos poderão ser mantidos.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 35 a 50 J/cm²
  • Dose: ~2 J

Ação: Elimina a hipersensibilidade pós-tratamento periodontal, medeia o processo inflamatório, acelera a neo-formação óssea, aumenta a aderência das fibras periodontais.

Aplicação: Sobre a região raspada e sobre as áreas de hipersensibilidade.

Posologia: As aplicações para eliminação da hipersensibilidade dentinária, deverão ser feitas segundo o protocolo de “hipersensibilidade dentinária”. No caso da aplicação para o tratamento periodontal, as aplicações deverão ser realizadas a cada 72 horas durante o primeiro mês de cicatrização óssea.

Dica: Nos casos mais refratários à formação óssea, o tratamento poderá ser prolongado por mais 1 mês.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 35 a 50 J/cm²
  • Dose: ~2 J

Ação: Acelera e melhora a qualidade de reparação óssea e do tecido mole, reduz o edema e a dor no pós-operatório.

Aplicação: Ao longo das bordas da sutura nas reparações por primeira intenção e também sobre o leito da ferida, nas reparações por segunda intenção.

Posologia: Aplicações a cada 72 horas, até a remoção da sutura. Nos casos em que persistir o quadro de edema e dor, preconiza-se aplicações por cerca de mais duas sessões (respeitando o mesmo intervalo de tempo).

Dica: O laser é aplicado sobre as bordas da lesão, pois a cicatrização dar-se-á através da proliferação de células-mãe (fibroblastos) presentes nessas bordas e que, por quimiotaxia, migrarão até a região a ser reparada.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~J

Ação: Analgesia imediata, formação de dentina terciária.

Aplicação: Dois pontos diretamente sobre a região raspada, na região do colo dentinário, perpendicularmente à região exposta, e um ponto no ápice dental.

Posologia: 4 aplicações em intervalos de 72 horas. Recomenda-se começar com a dose mínima preconizada para um elemento dental, ou seja, dose (energia) de ~1 J utilizando fluência de 20 a 25 J/cm², aumentando a dose nas sessões subsequentes, caso seja necessário.

A dose (energia) será dividida em dois pontos de ~0,5 J utilizando fluência de ~10 J/cm² em cada um deles. Prosseguir o tratamento periodontal conforme recomendado no item “Periodontia”.

Dica: O laser é aplicado sobre o colo exposto, no longo eixo do dente, por vestibular. Não há necessidade de aplicar por lingual, já que o laser tem boa penetração no tecido dental. Pode-se complementar aplicando um ponto sobre o ápice dental para incrementar a circulação e diminuir a inflamação pulpar.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Ação: Analgésico, anti-inflamatório; relaxante muscular, alívio nos casos de trismo, reparação de nervos traumatizados.

Aplicação: Pontos sobre a região da articulação. Em caso de trismos, tratar os pontos gatilhos e músculos envolvidos.

Posologia: 2 pontos de 2 J utilizando fluência de 35 a 50 J/cm² em cada ATM. Recomenda-se o uso de infravermelho, com aplicações a cada 72 horas, enquanto persistirem os sintomas.

Dica: O uso do laser não dispensa a necessidade de reabilitação oral nos pacientes que dela necessitem. O laser é aplicado em um ou dois pontos diretamente sobre a articulação temporomandibular.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 35 a 50 J/cm²
  • Dose: ~2 J

Ação: Acelera e melhora a reparação óssea e a cicatrização dos tecidos moles; reduz a dor e edema no pós-operatório.

Aplicação: Nas reparações por primeira intenção, ao longo das bordas da sutura. Nas reparações por segunda intenção, além dessa região, também sobre o leito da ferida.

Posologia: As aplicações deverão ser realizadas a cada 72 horas, durante o primeiro mês do processo de cicatrização óssea.

Dica: O laser é aplicado sobre a região onde se busca a reparação tecidual. Recomenda-se complementar o tratamento local com a técnica da drenagem linfática de Almeida-Lopes.

  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 50 a 70 J/cm²
  • Dose: ~3 J

Ação: Estimula a secreção de saliva em pacientes portadores de enfermidades ou que fazem uso de medicações que levem a essa condição; pacientes em tratamento quimioterápico ou radioterápico; no tratamento coadjuvante da Síndrome de Sjogren.

Aplicação: Diretamente sobre as glândulas maiores acometidas.

Posologia: O comprimento de onda recomendado é o infravermelho. As aplicações deverão ser realizadas a cada 96 horas, enquanto perdurar o quadro de xerostomia. A dose (energia) utilizada nas primeiras 2 aplicações deverá ser de ~1 J, utilizando fluência de 20 a 25 J/cm² por ponto, perfazendo um total de 4 ou 5 pontos sobre a glândula maior sob tratamento. A partir da terceira aplicação, a dose utilizada passará a ser de ~2 J por ponto, utilizando fluência de 35 a 50 J/cm². Recomendamos manter 1 cm de distância entre esses pontos.

Dica: O laser é indicado nesses quadros não só por prevenir as infecções oportunistas que afetam esses pacientes, mas também para prevenir e tratar a mucosite que invariavelmente acomete estes pacientes.

  • Laser: Infravermelho
  • Fluência: 20 a 25 J/cm²
  • Dose: ~1 J

Benefícios

  • Absorvido por substâncias na membrana plasmática de células mais profundas (tecidos conjuntivo, muscular, ósseo, cartilaginoso, etc);
  • Alteração na permeabilidade da membrana com aumento na absorção de nutrientes, água e ativos dermocosméticos;
  • Ativação do metabolismo celular;
  • Aumento na microcirculação periférica profunda (ativação de linfonodos em pré e pós drenagem linfática).

Benefícios

  • Absorvido por substâncias presentes na mitocôndria de células superficiais (tecido epitelial e tecido conjuntivo subjacente);
  • Aumento da sintese de ATP;
  • Aumento da produção de colágeno e elastina;
  • Liberação de endorfinas e encefalinas;
  • Aumento da microcirculação periférica superficial;
  • Inibição da cicloxigenase (analgesia).

Benefícios

  • Absorvido por porfirinas;
  • Hidratação imediata;
  • Otimização de decapagens superficiais (peelings fisicos ou quimicos);
  • Formação de especie reativas que atuam na melanina, fracionando essa molécula e tornando-a menos absorvedora de luz (efeito clareador em manchas melânicas);
  • Efeito bactericida em microorganismos com porfirina fisiológica (propyonibacterium acne).

Benefícios

  • Absorvido por ribossomos, responsáveis pela sintese de cadeias de aminoacidos;
  • Aceleração na velocidade da sintese proteica (fubras colagenas, fibras elasticas, etc);
  • Quebra de ligação de hidrogenio que formam-se em processos de glicação, melhorando a elasticidade de fibras adensadas e prevenindo processos de rupturas dos mesmos (estrias).

Benefícios

  • Estimulo da energia e funcionamento intracelular;
  • Estimulo à lipólise fisiológica;
  • Controle do fibroedema geloide (FEG);
  • Oxiterapia (aumento da oxigenação local e varredura de gases tóxicos;
  • Otimização da sintese de colageno;
  • Ação curativa e reparadora;
  • Aumenta a aceleração da regeneração celular e tecidual;
  • Aumento do metabolismo local;
  • Melhora da viscoelasticidade.

Concentração de 0,005%: Indicado para áreas profundas

  • Endodontia;
  • Lesões periapicais;
  • Apicectomias;
  • Bolsas periodontais profundas;
  • Enxertos ósseos contaminados.

Concentração de 0,01%: Indicado para áreas superficiais

  • Lesões bucais contaminadas;
  • Peri-implantite;
  • Herpes Simples;
  • Descontaminação em superfícies dentais-cáries.
  1. Proceder ao preparo químico mecânico do sistema de canais radiculares.
  2. Aplicar o Chimiolux 0,005% em cada canal, aguardar por 5 minutos.
  3. Irradiar com laser vermelho (660 nm) por 90 segundos (9 J ou 320 J/cm²) em cada canal.
  4. A fibra deverá ser colocada a 2 mm do ápice do canal. Não há necessidade de se realizar qualquer movimento, a mesma deve permanecer parada. No caso de manchamento utilizar hipoclorito de sódio a 5,2% ou EDTA.
  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 320 J/cm²
  • Dose: ~9 J
  1. Aplicar o Chimiolux 0,10% e aguardar 5 minutos.
  2. Irradiar com laser vermelho (660Nm) por 90 segundos (9 J ou 320 J/cm²).
  3. Proceder a raspagem e alisamento radicular – RAR.
  4. O procedimento deve ser realizado novamente após a RAR.
  5. Dependendo da severidade do caso, recomenda-se os períodos de 7 e 30 dias após a primeira aplicação.
  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 320 J/cm²
  • Dose: ~9 J

 

  1. Herpes labial na fase de vesícula.
  2. Drenagem das vesículas com agulha estéril.
  3. Aplicação do Chimiolux 0,10% e aguardar 5 minutos.
  4. Irradiar com laser vermelho (660 nm) por 90 segundos (9 J ou 320 J/cm²).
  5. Reparação completa da lesão em 1 semana.
  • Laser: Vermelho
  • Fluência: 320 J/cm²
  • Dose: ~9 J